TRABALHADORES DESEMPREGADOS HÁ MAIS DE 3 ANOS TEM DIREITO DE SACAR O FGTS DA CONTA INATIVA.

O trabalhador que ficou desempregado nos últimos três anos e que pediu demissão de um de seus empregos anteriores, tem direito a sacar o FGTS DA CONTA INATIVA.
Ou seja, o trabalhador poderá sacar os valores, desde que não tenha tido vínculo com carteira assinada durante os três anos após o pedido de demissão.
COMO FAZER O SAQUE DO FGTS DA CONTA INATIVA?
É simples. O trabalhador deve se dirigir até uma agência da CAIXA FEDERAL. Assim, a partir do mês do aniversário do trabalhador, e após completar os três anos desempregado, basta apresentar a CTPS, número do PIS que está inserido na CTPS.
QUAIS OUTRAS SITUAÇÕES QUE DÃO DIREITO AO SAQUE DO FGTS?
Além do saque imediato e do saque-aniversário (recentes modalidades de saque do FGTS), há outras hipótese em que o trabalhador poderá fazer o saque dos valores do FGTS:
• Para compra da casa própria;
• No caso de aposentadoria;
• Pagamento da compra de imóvel feito através de consórcio;
• Para quitar ou abater as parcelas de imóvel financiado pelo SFH – Sistema Financeiro de Habitação;
• Se for demitido sem justa causa;
• No caso de Rescisão por acordo;
• No caso de causa morte do patrão e fechamento da empresa;
• Quando do término do contrato de trabalho de um trabalhador temporário;
• Por falta de atividade remunerada para trabalhador avulso por 90 dias ou mais;
• Se a idade for igual ou superior a 70 anos;
• No caso de doenças graves do trabalhador, seus dependentes, ou em caso de estágio terminal em qualquer doença;
• Pela morte do trabalhador;
• No caso de Rescisão por culpa recíproca ou força maior;
• Em caso de necessidade pessoal urgente e grave, decorrente de chuvas e inundações que tenham atingido a residência do trabalhador, quando a situação for de emergência ou calamidade pública reconhecida por portaria do governo federal;
• Se for trabalhador avulso (sem vínculo empregatício, mas feito por intermédio de uma entidade de classe) e fica suspenso por período igual ou superior a 90 dias;
• Para dependentes ou herdeiros reconhecidos judicialmente, após a morte do trabalhador.